Portas Lógicas Buffer

Portas Lógicas Buffer

Os buffers são portas lógicas que possuem alta capacidade de corrente de saída. Por conta disso, são empregadas para controlar e acionar diretamente dispositivos atuadores, como LEDs, Relés de Estado Sólido e Eletromecânicos, e outras cargas comuns que demandam uma quantidade de corrente maior.

Quando um buffer é conectado à saída de um circuito digital, ele aumenta a capacidade de fan-out desse circuito, significando que aumenta a corrente máxima que o circuito pode fornecer nessa saída. Assim, um buffer é utilizado essencialmente como amplificador de corrente.

Classes de Buffers

Existem duas classes principais de buffers: inversores e não-inversores. A figura a seguir mostra os símbolos empregados para os dois tipos de buffers que estudaremos:

Buffer - Eletrônica Digital

Operação

Um buffer inversor se comporta da mesma forma que uma porta lógica NOT convencional, invertendo (complementando) na sua saída o nível lógico aplicado em sua entrada. A diferença entre ambos é que ele é mais potente, entregando na saída uma corrente maior do que entrega um inversor comum.

Um buffer não-inversor entrega em sua saída exatamente o mesmo nível lógico que foi aplicado em sua entrada, sendo por isso também conhecidos como portas YES. Assim como no caso dos buffers não-inversores, um buffer inversor consegue entregar em sua saída uma quantidade de corrente relativamente elevada.

Tabela-verdade e Equação Lógica

A seguir temos as equações lógicas e tabelas-verdade para os dois tipos de buffers apresentados:

Tabelas-verdade de buffers

Modos de Operação de um Buffer

Um buffer pode ser conectado a uma carga de duas formas distintas:

  • Como dissipador de corrente – Modo Sink
  • Como fonte de corrente – Modo Source

Modo Sink

No modo sink, a carga a ser controlada pelo buffer é conectada entre a saída do circuito digital e o positivo da fonte de alimentação, como ilustra a figura a seguir:

Buffer operando em modo sink - eletrônica digital

O modo sink é mais adequado para quando o circuito precisa fornecer altas correntes de saída.

Modo Source

No modo source, a carga que será controlada pelo buffer é conectada entre a saída do circuito digital e o terra, como podemos ver na ilustração a seguir:

Buffer em modo source - eletrônica digital

O modo source é mais empregado para o acionamento de cargas de baixa corrente.

Circuitos Integrados com portas Buffer

Vamos encontrar no mercado diversos circuitos integrados contendo portas buffer, tanto em tecnologia TTL quanto CMOS. Na tabela abaixo temos uma pequena lista de CIs comuns e suas configurações de portas:

Circuito integrado Configuração
4049B 6 buffers inversores
4050B 6 buffers não-inversores
7428 4 buffers NOR de 2 entradas
7437 4 buffers NAND de 2 entradas
74125 4 buffers não-inversores tri-state*
74540 8 buffers inversores tri-state
74541 8 buffers não-inversores tri-state
74241 8 buffers tri-state Schmitt* não-inversores

* Vamos abordar as tecnologias tri-state e Schmitt em outra lição do curso.

A figura a seguir mostra a pinagem e configuração interna do circuito integrado 4050B, que contém 6 buffers não-inversores em seu encapsulamento:

Buffer não-inversor 4050B - eletrônica digital

Anterior: Porta Lógica NOT

Próximo: Porta Lógica OR

Sobre Fábio dos Reis (1082 Artigos)
Fábio dos Reis trabalha com tecnologias variadas há mais de 25 anos, tendo atuado nos campos de Eletrônica, Telecomunicações, Programação de Computadores e Redes de Dados. É um entusiasta de Unix, Linux e Open Source em geral, adora Eletrônica e Astronomia, e estuda idiomas, além de ministrar cursos e palestras sobre diversas tecnologias em São Paulo e outras cidades do Brasil.
Contato: Website

1 Trackbacks & Pingbacks

  1. Porta Lógica OR - Bóson Treinamentos em Tecnologia

Escreva um comentário

Seu e-mail não será divulgado


*