10 Distribuições Linux utilizadas pela Bóson Treinamentos

10 Distribuições Linux utilizadas pela Bóson Treinamentos

Você provavelmente sabe que o Linux em si é o kernel (núcleo) do sistema operacional. Uma distribuição Linux é um conjunto de softwares composto por um kernel Linux combinado com outros softwares, como aplicativos, utilitários, interfaces gráfica e de linha de comandos, bibliotecas, drivers e muitos outros pacotes de software. Quando dizemos “vamos instalar o Linux xyz” o que queremos dizer na verdade é “vamos instalar a distribuição Linux xyz”. E há muitas distribuições disponíveis atualmente – são literalmente centenas delas.

Neste artigo vou apresentar 10 das distribuições que utilizamos aqui na Bóson Treinamentos e que eu também utilizo em outros locais onde trabalho atualmente. Elas estão listadas a seguir, sem nenhuma ordem em especial. Vamos a elas:

1. Linux Debian

O Debian é uma distribuição composta inteiramente de software livre e open-source, empacotados e distribuídos pelo Projeto Debian. A grande maioria desse software está sob a licença GNU GPL (General Public License), e o sistema foi disponibilizado pela primeira vez em 1993, tendo sido criado por Ian Murdock. Seu primeiro release estável surgiu em 1996.

Trata-se de uma distribuição bastante estável, que possui três versões: unstable, stable e testing. A versão unstable possui novos pacotes adicionados ao sistema, ou pacotes que foram corrigidos, e que são copiados para a versão testing se após um certo período de tempo não apresentarem problemas. Após testado por outro período de tempo, o conteúdo de testing pode ser lançado como versão stable (estável – finalizada e pronta para uso). O tempo decorrido entre lançamentos das versões stable costuma ser bem maior do que o lançamento de versões de outras distribuições.

O Debian costuma ser utilizado como base para outras distribuições, sendo as mais notáveis o Ubuntu Linux e Linux Mint.

Esse é o sistema que mais tenho utilizado, principalmente por ser a distribuição de escolha nos cursos que ministro nas escolas onde trabalho.

Debian Linux Desktop

2. Ubuntu Linux

O Ubuntu Linux é uma das distribuições derivadas do Debian mais populares, fornecida pela empresa britânica Canonical Ltd, que foi fundada pelo empreendedor sul-africano Mark Shuttleworth, famoso por ter fundado e vendido anteriormente a empresa de segurança Thawte para a Verisign.

O objetivo do projeto Ubuntu Linux é oferecer uma distribuição Linux atual, simples de utilizar, com uma grande variedade de pacotes, que é atualizada em intervalos de tempo bem menores do que o Debian em si. O Ubuntu está disponível para diversas arquiteturas, como Intel 32 e 64 bits, ARM e PowerPC.

O Ubuntu Linux é provavelmente a distribuição Linux mais conhecida de todas, e  a de maior sucesso e aceitação em desktops, possuindo seus próprios repositórios de software, que contam com mais de 56 mil pacotes disponíveis para download e instalação. O Ubuntu utilizava antigamente o ambiente gráfico GNOME, mas a partir da versão 11.04 passou a utilizar seu próprio ambiente de desktop, o Unity. Além disso, o Ubuntu possui diversas versões disponíveis, como por exemplo as versões Server, Cloud, Desktop e até mesmo o Snappy Ubuntu Core, para IoT (Internet of Things / Internet das Coisas).

O Ubuntu traz atualizações de versão a cada seis meses, normalmente em abril e em outubro, e a cada dois anos uma versão LTS (Long Term Support) é lançada, possuindo suporte garantido por 5 anos – essa é a versão do Ubuntu que recomendamos para ser utilizada nas empresas.

Aqui na Bóson Treinamentos usamos extensivamente o Ubuntu Linux, e inclusive temos uma grande lista de vídeos sobre o Ubuntu em nosso canal do YouTube, com cerca de 75 vídeos disponíveis (em 08/2015).

Ubuntu Linux Desktop

A palavra “Ubuntu” vem do idioma Zulu e significa aproximadamente “Humanidade para Todos”.

3. openSUSE

O Linux openSUSE é criado e gerenciado por uma comunidade de desenvolvedores patrocinada pela SUSE e outras empresas, tendo sido criado pela Novell em 2005. Trata-se de uma distribuição completa, contendo inúmeros pacotes de software de alta qualidade, e trazendo como diferenciais a facilidade de configuração de diversas ferramentas de servidor e o uso do gerenciador YaST, que permite que os administradores de sistemas instalem e removam softwares, configurem o hardware de servidores e estações de trabalho, configurem a rede e segurança, entre muitas outras funções.

O grande foco do desenvolvimento do openSUSE é a criação de ferramentas open-source para administradores de sistemas (e também para desenvolvedores), e um ambiente de servidor com muitos recursos disponíveis.

Sua interface padrão é o KDE Plasma Desktop, mas também possui diversos outros ambientes de desktop disponíveis, como o Xfce, GNOME e outros.

openSUSE Linux Desktop

4. Red Hat Enterprise Linux (RHEL)

O Linux Red Hat Entrerprise Linux é uma distribuição Linux comercial (“paga”) projetada para uso em servidores e em workstations, na construção de data centers e serviços de nuvem e clusters. Trata-se de uma plataforma estável, com suporte de longo período, desenvolvida e comercializada pela empresa Red Hat, Inc.

O Red Hat pode rodar em inúmeras arquiteturas diferentes, como x86 e x86-64 (32 e 64 bits), IBM System z e s/390 (mainframes). É a maior companhia baseada inteiramente em Linux do planeta, com um valor de mercado que supera os 15 bilhões de dólares hoje – um tremendo sucesso!

A empresa trabalha com um ciclo de vida de cerca de 10 anos para o RHEL, durante o qual é possível obter suporte e atualizações de softwares e drivers de dispositivos. Para isso, é necessário adquirir uma licença de uso do software; porém, o núcleo de software do sistema é livre e de código aberto. Desta forma, podemos rodar um sistema quase tão completo quanto o Red Hat na forma de Linux CentOS, que é baseado no RHEL porém de uso e distribuição livres.

Vários servidores no Data Center da empresa onde trabalho em horário comercial rodam o Red Hat Enterprise Linux.

Red Hat Enterprise Linux 7 RHEL

5. Linux Mint

O Linux Mint é uma distribuição muito popular baseada no Debian e no Ubuntu Linux, com foco na experiência do usuário de sistemas desktop, trazendo uma experiência imediata ao incluir suporte a multimídia, plug-ins para navegadores, muitos codecs de áudio e vídeo, tocadores de CD e DVD, suporte a Java e Flash e muitos outros pacotes, além dos tradicionais softwares GIMP (edição de imagem) e LibreOffice (pacote de escritório). Também estão disponíveis pacotes proprietários que não são incluídos por padrão no Ubuntu Linux.

O Linux Mint utiliza os repositórios do Ubuntu, mas traz um ambiente de desktop diferente – na verdade, você pode escolher o ambiente de desktop a utilizar ao baixar a distribuição. Estão disponíveis versões com Cinnamon e MATE, inclusive com a possibilidade de baixar versões sem os codecs que devem ser baixadas em países onde a legislação preveja a necessidade de aquisição de licenças para esses softwares. A versão mais atual na data de criação desse artigo é o Linux Mint 17.2 de codinome “Rafaela”.

O sistema é realmente fácil de usar, e temos em casa um notebook com o Mint instalado, que minha esposa utiliza no dia-a-dia sem encontrar maiores dificuldades.

Linux Mint Cinnamon

6. Fedora

O Linux Fedora é uma distribuição cujo foco é o software livre e de código aberto, contendo frequentemente as versões mais recentes dos pacotes de software disponíveis. É desenvolvido e suportado pela Comunidade do Projeto Fedora, e patrocinado pela gigante Red Hat.

O Fedora vem com o ambiente de desktop GNOME 3 por padrão, sendo possível utilizar outros desktops se você assim o quiser. O sistema é patrocinado pela Red Hat, Inc., e é usado como fundação para o projeto Red Hat Enterprise Linux (RHEL) – muitos dos novos pacotes e últimas versões de diversas e novas tecnologias são primeiramente testadas no Fedora, para somente então serem incluídas no RHEL. Por conta disso, o suporte oferecido às distros Fedora não é muito longo. A versão mais atual é a versão Fedora 22, que analisamos aqui no site da Bóson.

O próprio criador do Linux, Linus Torvalds, utiliza o Linux Fedora em seus computadores, de acordo com uma entrevista concedida à revista Linux Format.

Fedora Linux

7. IPFire

O Linux IPFire é uma distribuição Linux desenvolvida na Alemanha cujo objetivo é a construção de firewalls e roteadores, sendo gerenciada por uma interface Web. Com essa distribuição podemos facilmente criar também um servidor SOHO (Small Office, Home Office) executando serviços como DNS, DHCP, Proxy (Squid), VPN, IPSec, Wake-On-LAN e muitos outros. Também permite configurar e gerenciar redes wireless e DMZ (zona desmilitarizada).

Trata-se de uma alternativa simples e altamente funcional a sistemas como o pfSense, e costumo criar servidores para controle de acesso à Internet e Firewall em diversos clientes corporativos com o IPFire, que hoje está na versão 2.15.

IPFire Linux Firewall

8. CentOS

A distribuição CentOS é uma distro 100% livre derivada completamente do Red Hat Enterprise Linux, que provê compatibilidade binária com o sistema da Red Hat. É uma das distribuições Linux mais utilizadas para suportar Web Servers – na verdade, o próprio site da Bóson Treinamentos está hospedado em um servidor CentOS.

Lançado em 2004, o projeto CentOS se uniu à Red Hat em janeiro de 2014 – porém ainda se mantendo independente. Como já citamos anteriormente, o RHEL está disponível por meio de uma assinatura (paga) que fornece acesso às atualizações de software e suporte técnico, e essa distribuição é composta quase que inteiramente por software livre e o código-fonte desse software é disponibilizado publicamente pela Red Hat. Então, a equipe de desenvolvedores do CentOS utiliza esse código-fonte da Red Hat, empacotando-o e criando a distribuição CentOS, com um nome e logo diferentes dos da Red Hat, por conta dos direitos de uso da marca.

CentOS Linux

A versão mais atual do CentOS é a 7.1.

9. Slackware

A distribuição Linux Slackware é a distro mais antiga ainda em desenvolvimento. Criada em 1993 por Patrick Volkerding, foi baseada numa distribuição (não mais existente) chamada Softlanding Linux System.

Trata-se de uma distribuição icônica, que possui muitos seguidores – quase fãs – devido à forma como é instalada e gerenciada. No geral, trabalhar com Slackware requer conhecimentos técnicos bem mais avançados do que com qualquer das outras distribuições que listamos aqui.

Usamos o Linux Slackware aqui na Bóson primariamente para realizar alguns testes de software e demonstrações; temos alguns vídeos sobre o assunto em nosso canal do YouTube também

Linux Slackware

10 Kali Linux

O Kali Linux, que antigamente se chamava Backtrack, é uma distribuição muito importante em nossa lista, por se tratar de uma distro baseada em Debian que traz uma grande coleção de ferramentas forenses e de segurança.

O Kali, ao ser instalado, já vem com cerca de 600 ferramentas distintas, que podem ser usadas em tarefas variadas relacionadas à segurança digital, como análise forense, testes de penetração (pentest), quebra de senhas, escaneamento de redes e muito mais.

Algumas das ferramentas mais populares contidas no Kali Linux incluem:

  • Wireshark
  • Nmap
  • aircrack-ng
  • Metasploit Framework
  • ddrescue
  • John the Ripper

E muitas outras.

A lista completa de ferramentas presentes no Kali Linux pode ser acessada aqui.

Kali Linux - Segurança e Forense

Essas dez distribuições são as que eu mais utilizo aqui na Bóson Treinamentos e também nas empresas onde trabalho, mas não são as únicas – uso diversas outras em contextos específicos e testo inúmeras distros constantemente.

Nem só de Linux vive a Bóson Treinamentos. Usamos também muitos outros sistemas que não são distribuições Linux em nossos trabalhos no dia-a-dia, como diversos BSDs, OS X, Solaris e outros. Vamos falar sobre esses sistemas em um próximo artigo.

Até lá!

Sobre Fábio dos Reis (1382 Artigos)
Fábio dos Reis trabalha com tecnologias variadas há mais de 25 anos, tendo atuado nos campos de Eletrônica, Telecomunicações, Programação de Computadores e Redes de Dados. É um entusiasta de Unix, Linux e Open Source em geral, adora Eletrônica e Música, e estuda idiomas, além de ministrar cursos e palestras sobre diversas tecnologias em São Paulo e outras cidades do Brasil.
Contato: Website

6 Comentários em 10 Distribuições Linux utilizadas pela Bóson Treinamentos

  1. ysrael bendavid // 05/08/2015 em 13:39 // Responder

    Oi Fábio gosto muito de seus vídeos, mas você poderia fazer um acerca de UEFI e seu terminal (como trabalhar nele);
    Poderia fazer também sobre bootloaders. Eu sei que tem um chamado gummiboot, mas só achei tutoriais em english. Além do que, quem instrui, parece que está ensinando para quem já tem um pré-conhecimento do assunto e não para o leigo. Eu gostaria de saber como mudar o bootloader pelo texto, sem ter que usar ferramentas graficas. Obrigado.

    • Ysrael, por coincidência estou trabalhando num material sobre UEFI e GPT no momento. Provavelmente vamos ter um vídeo a respeito em breve. Obrigado, e um grande abraço!

  2. Olá, Parabéns pelo excelente trabalho, sou fã da Boson Treinamentos.
    ótimo material, essa lista esta fantástica.

  3. OBSERVAÇÃO: FAVOR CONSIDERAR ESTE TEXTO PARA PUBLICAÇÃO, POR ESTAR CORRIGIDO EM RELAÇÃO AO OUTRO. OBRIGADO !

    Caro Fábio, sou seu Seguidor e Entusiasta da Bóson Treinamentos, pela abrangência de acervo e qualidade dos vídeos tutoriais focados em Tecnologia que Vc publica, algo inédito no Brasil.
    Gostaria de saber o porque de sua opção em ter escolhido o CentOS e não o Debian, para ser o Servidor que hospeda o site da Bóson Treinamentos, pois, segundo publicações especializadas recentes na Net, o Debian voltou a assumir a Primeira colocação como Servidor Web, considerado pela maioria dos sites como o mais Estável, Robusto e Rápido Servidor Web, razão pela qual superou o Ubuntu e o Cent0S nesta atribuição.
    No mais,parabenizo seu Excelente Trabalho, aprendi muito com Você ao longo dos últimos anos.
    Abraços !

    • Olá Robson! Muito obrigado por nos acompanhar!
      Eu uso o CentOS porque é a única distribuição Linux que estava disponível em nosso provedor de serviços. Não havia outra opção de sistema, infelizmente. Eu realmente utilizaria o Debian se pudesse, pois além do fato que você citou, eu ainda tenho mais familiaridade com ele.
      Abraço!

Escreva um comentário

Seu e-mail não será divulgado


*