Codificar não é “divertido”, é algo tecnicamente e eticamente complexo

Escrever código de software

Walter Vannini
É consultor e pesquisador digital. Tem interesse na cultura de TI contra tecnocratas e em governança de dados, e vive em Milão, Itália.

Programar computadores é muito fácil. Ou é assim que os gurus de habilidades digitais do mundo nos fazem acreditar. Da promessa da organização sem fins lucrativos do Code.org de que 'Qualquer um pode aprender!' até o comentário do chefe executivo da Apple, Tim Cook, de que escrever código é "divertido e interativo", a arte e a ciência de fazer software agora são tão acessíveis quanto o alfabeto.

Infelizmente, esse retrato promissor não tem relação com a realidade. Para começar, o perfil da mente de um programador é bastante incomum. Além de serem altamente analíticos e criativos, os desenvolvedores de software precisam de um foco quase sobre-humano para gerenciar a complexidade de suas tarefas. A atenção maníaca ao detalhe é uma obrigação; A negligência é proibida. Alcançar esse nível de concentração requer um estado mental conhecido como "estar no fluxo", uma relação quase simbiótica entre humanos e máquinas que melhora o desempenho e a motivação.

Codificar software não é o único trabalho que exige foco intenso. Mas você nunca ouviria alguém dizer que fazer uma cirurgia do cérebro é "divertido", ou que a engenharia estrutural é "fácil". Quando se trata de programação, por que os formuladores de políticas e os tecnólogos fingem o contrário? Por um lado, ajuda a atrair as pessoas para o campo em um momento em que o software (nas palavras do capitalista de risco Marc Andreessen) está "devorando o mundo" - e, ao expandir a força de trabalho, mantém a indústria acelerada e os salários sob controle. Outro motivo é que a própria palavra "codificar" parece rotineira e repetitiva, como se houvesse algum tipo de chave que os desenvolvedores aplicassem maquinalmente para resolver qualquer problema. Não ajuda o fato de que Hollywood tenha lançado o "codificador" como um hacker socialmente desafiado, que "digita-primeiro-pensa-depois", inevitavelmente branco e masculino, com o poder de frustrar os nazistas ou penetrar na CIA.

Insistir no glamour e diversão da codificação é o caminho errado para familiarizar as crianças com a ciência da computação. Insulta a inteligência delas e planta a noção perniciosa em suas cabeças de que você não precisa de disciplina para progredir. Como qualquer pessoa com até mesmo uma exposição mínima para escrever software sabe, por trás de um minuto de digitação reside uma hora de estudo.

É melhor admitir que codificar (escrever código de software) é complicado, técnica e eticamente. Os computadores, no momento, só podem executar ordens, em diferentes graus de sofisticação. Assim, cabe ao desenvolvedor ser claro: a máquina faz o que você diz, não o que você quer dizer. Mais e mais "decisões" estão sendo confiadas a software, incluindo a vida ou a morte: pense em carros auto-guiados; armas semi-autônomas; que o Facebook e o Google fazem inferências sobre seu status matrimonial, psicológico ou físico, antes de vendê-lo ao melhor apostador. No entanto, raramente é do interesse das empresas e dos governos nos encorajar a investigar o que está acontecendo por baixo desses processos.

Todos esses cenários são construídos a partir de bases requintadamente técnicas. Mas não podemos reagir a eles respondendo exclusivamente questões técnicas. Programação não é um detalhe que pode ser deixado aos "técnicos" sob o pretexto falso de que suas escolhas serão "cientificamente neutras". As sociedades são muito complexas: o algoritmo é político. A automação já causou um golpe na segurança do emprego de trabalhadores pouco qualificados em fábricas e armazéns em todo o mundo. Trabalhadores de colarinho branco são os próximos na fila. Os gigantes digitais de hoje funcionam com uma fração dos funcionários dos gigantes industriais de ontem, de modo que a ironia de encorajar mais pessoas a trabalhar como programadores é que eles estão lentamente movendo a si mesmos para fora do mercado de empregos.

Em um mundo cada vez mais intrincado e conectado, onde o software desempenha um papel maior e maior na vida cotidiana, é irresponsável falar de codificação como uma atividade leve. O software não é simplesmente linhas de código, nem é simplesmente técnico. Em apenas alguns anos, entender de programação será uma parte indispensável da cidadania ativa. A ideia de que a codificação oferece um caminho não problemático para o progresso social e o aprimoramento pessoal funciona em benefício da tecnoplutocracia crescente que se isola por trás de sua própria tecnologia.

Traduzido e republicado com permissão de Aeon. Artigo original: "Coding is not ‘fun’, it’s technically and ethically complex"

LICENÇA: Creative Commons Attribution-No Derivatives

Sobre Fábio dos Reis (1194 Artigos)
Fábio dos Reis trabalha com tecnologias variadas há mais de 25 anos, tendo atuado nos campos de Eletrônica, Telecomunicações, Programação de Computadores e Redes de Dados. É um entusiasta de Unix, Linux e Open Source em geral, adora Eletrônica e Astronomia, e estuda idiomas, além de ministrar cursos e palestras sobre diversas tecnologias em São Paulo e outras cidades do Brasil.
Contato: Website

Escreva um comentário

Seu e-mail não será divulgado


*