O menor Transistor do mundo – apenas três átomos de espessura!

O menor Transistor do mundo – apenas três átomos de espessura!

De acordo com um artigo publicado na revista Nature, os pesquisadores descobriram um novo processo para a produção de transistores ultra-finos. Com apenas três átomos de espessura, eles seriam atualmente os menores componentes eletrônicos existentes.

TMD-transistor-FET.PNG

Os dispositivos são fabricados com um material experimental conhecido como um metal de transição dicalcogeneto, também conhecido como TMD (Transition Metal Dichacogenide). Os TMDs geralmente aparecem como filmes com apenas alguns átomos, com propriedades que os tornam úteis para a construção de células solares, detectores de luz, ou semicondutores. Embora a perspectiva seja bastante excitante para físicos e fabricantes de componentes eletrônicos, fazer com que os materiais funcionem tem mostrado ser uma tarefa muito difícil. No entanto, o resultado de ter átomos que são tão finos pode ser visto como o melhor processo para a fabricação dos materiais, dando esperanças de que algum dia eles possam se tornar circuitos e sensores de tamanho atômico.

“Nosso trabalho eleva os TMDs a uma escala tecnologicamente relevante, mostrando a promessa de fabricar dispositivos nessa escala”, disse um dos autores do artigo, Saien Xie. “Em princípio não há nenhuma barreira para [viabilidade comercial].”

Os cientistas explicaram a nova forma de produzir os TDMs, que é mais estável do que os métodos anteriores. Usando uma técnica industrial conhecida como deposição de vapor químico orgânico de metal, (metal organic chemical vapor deposition / MOCVD), o processo envolve dois compostos disponíveis comercialmente: – sulfeto de dietila, e um composto de hexacarbonilo metálico, que são misturados numa pastilha de silício e cozidos a 550ºC por 26 horas na presença de gás hidrogénio.

Esta descoberta pode vir a resultar em um avanço real para as futuras gerações de aparelhos eletrônicos. A partir do momento em que os eletrônicos forem ficando cada vez menores e rmais rápidos também, precisaremos de um material muito fino que possa empacotar circuitos ainda menores e mais condensados, sem superaquecimento ou ruptura.

Embora não tenhamos certeza de que o TDM e o grafeno provarão ser bem-sucedidos, esse resultado é certamente um sinal encorajador, especialmente para qualquer um que tenha a construção de sistemas eletrônicos e componentes como os transistores em nanoescala em mente.

História via The Verge

Sobre Fábio dos Reis (1312 Artigos)
Fábio dos Reis trabalha com tecnologias variadas há mais de 25 anos, tendo atuado nos campos de Eletrônica, Telecomunicações, Programação de Computadores e Redes de Dados. É um entusiasta de Unix, Linux e Open Source em geral, adora Eletrônica e Música, e estuda idiomas, além de ministrar cursos e palestras sobre diversas tecnologias em São Paulo e outras cidades do Brasil.
Contato: Website

Escreva um comentário

Seu e-mail não será divulgado


*