O que é o Linux – Conceitos e História resumida

A história do Unix e do GNU/Linux

Nesta primeira parte de nosso artigo sobre o que é o Linux e suas origens, vamos apresentar uma história resumida do Sistema Operacional Linux, tratando também de sistemas operacionais ancestrais e suas relações entre si, desde o final dos anos 60 até os dias atuais.

Primórdios: o Unix

O Unix é um sistema operacional que surgiu no final dos anos 60, mais precisamente em 1969, nos laboratórios Bell da AT&T, tendo sido desenvolvido pelos pesquisadores Ken Thompson e Dennis Ritchie (também criador da Linguagem C de programação), sendo que sua primeira versão ficou pronta no ano de 1970. O sistema foi posteriormente reescrito em linguagem C, pois havia sido escrito originalmente em Assembly, tornando desta forma o sistema portável (passível de ser executado em ambientes diferentes) e isso levou a adoção em grande escala do Unix por empresas públicas e privadas e instituições acadêmicas nos EUA.

Em 1977 foi desenvolvida uma variante do Unix por um grupo de nome CSRG (Computer Systems Research Group) na Universidade de Berkeley (Califórnia), batizada de Berkeley Software Distribution, ou simplesmente BSD, baseada na versão 6 do Unix original da AT&T (Unix V6). As versões do BSD se iniciaram com a versão 1BSD, que rodava em computadores PDP-11, e foram desenvolvidas até chegarem à versão 4.4BSD. Essas versões continham código da AT&T, que era licenciado, e Berkeley decidiu reescrever todos esses códigos para eliminar os custos de licenciamento (que estavam se tornando elevados), porém acabaram abandonando o projeto por falta de verbas, mas ainda assim lançando a última versão, 4.4 BSD-Lite, sem códigos proprietários da AT&T.

Essa versão acabou originando a maioria das versões atuais de sistemas baseados em BSD Unix, tais como o FreeBSD, NetBSD, OpenBSD e até mesmo o Mac OS X (da Apple).

Outra ramificação dos sistemas baseados em Unix - na versão original da AT&T - é o Unix System V, que deu origem a vários sistemas em uso comercial hoje, como o HP-UX, AIX (da IBM) e Solaris, entre outros.

O Linux é um sistema operacional desenvolvido nos moldes desses sistemas Unix, mas sem utilizar nenhuma linha de código deles - foi inteiramente escrito do zero, porém de forma a adotar a filosofia do Unix e os padrões utilizados em seu desenvolvimento, possuindo, dessa forma, inúmeras características encontradas nesses sistemas, de forma totalmente original e modernizada.

 

Sistema Operacional Unix moderno PC-BSD

Figura 1 - Sistema Operacional Unix moderno PC-BSD (imagem: Fábio dos Reis)

O Padrão POSIX

Em 1985, profissionais de várias empresas na indústria de computadores se uniram para desenvolver um padrão denominado POSIX (Portable Operating System Interface for Computer Environments), baseado na Definição de Interface do Unix System V e outros padrões anteriores. O POSIX é um grupo de padrões do IEEE que definem a API (Application Programming Interface / Interface de Programação Avançada), shell e interfaces para sistemas operacionais. Originalmente criado para sistemas UNIX, o padrão POSIX pode ser aplicado a qualquer sistema compatível, como BSD e o Linux.

Surgimento do Linux

A história do Linux se inicia no ano de 1991, quando um jovem estudante de nome Linus Torvalds, da Universidade de Helsinki, na Finlândia, iniciou um projeto pessoal de sistema operacional, baseando-se em um sistema já existente, baseado em Unix, denominado Minix

O Minix foi criado em 1987 pelo professor de ciência da computação Andrew Tannenbaum, da Universidade Livre de Amsterdã, na Holanda, e era utilizado basicamente para o estudo de sistemas operacionais, e por isso não contava com muitos recursos nem possibilidade de expansão na época, além de somente ser licenciado para uso educacional. Sempre que havia a necessidade de escolher entre simplicidade e eficiência, Tannenbaum escolhia a simplicidade, de modo a facilitar o ensino de sistemas operacionais com o Minix.

Isso significa que esse sistema não possuía muitas funcionalidades que as pessoas necessitavam para usá-lo corriqueiramente. Outras variantes do sistema Unix tinham um preço elevado, e por isso eram proibitivas para usuários comuns. Então, Linus, que tinha adquirido um interesse por sistemas operacionais na época, além de estar frustrado com o esquema de licenciamento do MINIX, resolveu criar um novo sistema, desenvolvendo um kernel (núcleo do sistema operacional) em um computador que rodava o próprio MINIX, usando o compilador GNU C (compilador usado até hoje em sistemas Linux!), e logo em seguida, postando uma mensagem em um newsgroup (grupo de notícias) da Usenet chamado comp.os.minix.

A mensagem foi a seguinte:

“Olá a todos aí que estão usando o minix -

Eu estou desenvolvendo um sistema operacional “livre” (apenas um hobby, não será grande e profissional como o gnu) para (computadores) clones do AT 386 (486). Ele vem sido preparado desde abril, e está começando a ficar pronto. Eu gostaria de obter feedback sobre coisas que as pessoas gostam ou não gostam no minix, pois meu sistema operacional se parece um pouco com ele (mesmo layout físico do sistema de arquivos, devido a razões práticas, entre outras coisas).

Recentemente eu portei o bash (versão 1.08) e o gcc (1.40), e as coisas parecem funcionar. Isso significa que eu terei algo prático em alguns meses, e gostaria de descobrir quais características a maioria das pessoas desejaria (no sistema). Quaisquer sugestões serão bem-vindas, mas não irei prometer que as implementarei 🙂

Linus (torvalds@kruuna.helsinki.fi)

P.S. Sim - é livre de código do minix, e possui um sistema de arquivos multi-theaded. NÃO é portável (utiliza comutação de tarefas do 386, etc.),  e provavelmente nunca suportará nada além de discos rígidos AT, pois é tudo o que eu tenho 🙁

- Linus Torvalds”

O nome do sistema operacional “Linux” é uma combinação do nome de Linus mais a palavra Unix, e o sistema foi assim batizado por Ari Lemmke, um colega de trabalho de Torvalds na Universidade de Tecnologia de Helsinki. A princípio, Linus Torvalds queria batizar o sistema de “Freax” (uma mistura de “freak”, que significa “estranho”, com Unix), mas desistiu da ideia após ouvir a opinião de Lemmke, que achou o nome Freax uma péssima escolha.

Quando Linus terminou de escrever o kernel, foi iniciada uma busca por outros softwares livres, e tudo o que precisavam foi encontrado no projeto GNU. O software livre disponível era suficiente para criar um sistema completo, pois o projeto GNU estava sendo desenvolvido desde 1984.

Após a publicação desta mensagem, programadores ao redor do mundo rapidamente começaram a se juntar ao projeto e a trabalhar para acrescentar funcionalidades ao kernel e também desenvolveram muitas outras ferramentas, de modo que o Linux se equiparou ao BSD Unix e ao System V, além de trazer funcionalidades novas.

 
Sobre Fábio dos Reis (1236 Artigos)
Fábio dos Reis trabalha com tecnologias variadas há mais de 25 anos, tendo atuado nos campos de Eletrônica, Telecomunicações, Programação de Computadores e Redes de Dados. É um entusiasta de Unix, Linux e Open Source em geral, adora Eletrônica e Música, e estuda idiomas, além de ministrar cursos e palestras sobre diversas tecnologias em São Paulo e outras cidades do Brasil.
Contato: Website

1 Trackbacks & Pingbacks

  1. O Projeto GNU e Software Livre - Bóson Treinamentos em Tecnologia

Escreva um comentário

Seu e-mail não será divulgado


*